Administração de estoque: o que muda com a pandemia?

Saiba como algumas empresas têm lidado com a administração de estoque na pandemia e quais os impactos e perspectivas para a logística nessa crise.

Em tempos de pandemia, muitos gestores estão precisando adaptar, ou até mesmo reinventar as estratégias de seus negócios, no intuito de manter as operações em dia e minimizar, ao máximo, os impactos dessa crise. No setor logístico não é diferente! Um dos principais desafios para as empresas nesse momento é encontrar maneiras para otimizar a administração de estoque com os recursos disponíveis, sem perder a eficiência do supply chain.

E como isso tem sido possível? Para contribuir com dicas e informações úteis, a seguir, mostramos alguns exemplos e práticas que podem servir de referência aos profissionais de logística e ajudar na administração de estoque durante a crise do coronavírus. Acompanhe.

Quais os impactos da pandemia na administração de estoque?

De acordo com uma pesquisa sobre os reais impactos da pandemia na economia brasileira, dados apontam que o setor industrial é mais afetado até agora e com, pelo menos, 43% das empresas já reportando algum tipo de dificuldade.

A redução das demandas e a mudança repentina no perfil de consumo do mercado são apontados como dois dos principais fatores para essa crise no setor.

Além disso, o que temos visto de exemplos em outros países, onde as decisões de reclusão social foram ainda mais rígidas do que no Brasil, empresas precisaram parar suas linhas de produção e distribuição por completo, o que pode ter gerado prejuízos e impactos ainda incalculáveis.

Ainda que seja cedo para prever um cenário futuro aqui pelo Brasil, tivemos a grande vantagem de contar com o tempo e a experiência de outras nações, antes mesmo da pandemia atingir o nosso país, o que garantiu um pouco mais de planejamento e organização dos gestores.

Mesmo que com a capacidade reduzida e com as dificuldades enfrentadas no momento, ainda não houve uma necessidade de paralização geral ou de um lock down no país, o que tem permitido as empresas operarem e buscarem alternativas estratégicas durante a pandemia.

Quais são as mudanças e expectativas para o setor logístico?

Nada é definitivo em nenhum dos mercados, e ainda é cedo para prever exatamente as reais mudanças que a pandemia acarretará nas empresas. No entanto, especialistas já acreditam que a “normalidade” não voltará como a conhecemos, e que muitos dos hábitos e consumos que estamos experimentando no momento hão de permanecer por um longo e indeterminado tempo.

O aumento do consumo online, o desabastecimento de diversos setores, o medo por uma recessão econômica global e o próprio isolamento social são alguns desses fatores que têm mudado a percepção do consumidor em geral – e, certamente, tudo isso vai criar novos perfis de compras, o que demandará uma adaptação ou reinvenção de muitas empresas.

Sem dúvidas, a logística já é – e será ainda mais futuramente – um dos setores que mais vão precisar se adaptar a essas mudanças, seja por questões operacionais, seja por novos métodos e tecnologias.

Ouça o máximaCast #28 e saiba quais são as boas práticas para a cadeia de abastecimento em tempos de coronavírus

Quais são as principais estratégias de administração de estoque na pandemia?

Enquanto cada empresa busca alternativas para otimizar sua logística em tempos de coronavírus, algumas ações e boas práticas já têm sido comuns na maior parte do mercado, especialmente, no tocante à administração de estoque.

Para exemplificar melhor, destacamos algumas sugestões e dicas de estratégias aplicadas no supply chain na pandemia e que podem gerar resultados para minimizar os impactos da crise.

Redução na circulação de pessoas

O isolamento social tem sido a principal estratégia para frear o contágio do Covid-19 no mundo, e o mesmo tem sido implantado dentro dos armazéns logísticos, centros de distribuição e fábricas.

Aqueles que podem, em especial da área administrativa, o trabalho home-office vem se apresentando como uma boa alternativa, e até já se fala em uma tendência futura para reduzir custos para muitas empresas.

Já a parte operacional, que depende da mão de obra presente e é o principal impulsionador da produção e distribuição no supply chain, precisa adotar medidas e estratégias de distanciamento, segurança e procedimentos.

Para isso, destacamos algumas ideias que têm sido aplicadas nas empresas:

  • análise e distribuição de pessoas necessárias em cada setor;

  • rodízio de funcionários;

  • reorganização e realocação de tarefas, a fim de evitar o contato humano;

  • obrigatoriedade no uso de EPI’s e de seguir as novas regras estipuladas em cada ambiente de trabalho.

Implementação de novas políticas de segurança

Outra estratégia fundamental para manter a administração de estoque na ativa e, ao mesmo tempo, preservar a saúde e o bem-estar dos colaboradores, é a elaboração de uma nova política de segurança e operação na empresa.

Além do distanciamento pessoal que vimos, outras boas práticas podem ser implementadas no dia a dia do armazém, que visam prevenir e proteger as pessoas de possíveis contágios. Seguem alguns exemplos:

  • Instalação de reservatórios de álcool em gel em setores de maior circulação, especialmente, próximo às portas e corredores;

  • Distribuição de máscaras e luvas, bem como a devida orientação e treinamento de como manusear, reaproveitar ou descartar tais equipamentos;

  • Criação de uma rotina de limpezas e cuidados especiais ao final de cada operação, em especial, durante as trocas de turnos, como a higienização de maquinários e equipamentos do tipo coletor de dados, tablets, pranchetas, embalagens, botões de acionamento, alavancas e as próprias empilhadeiras;

  • Estipulação de novas regras e métodos a cada etapa do supply chain, como meios de proteção durante o recebimento de insumos dos fornecedores, para a movimentação de materiais internos no estoque, cuidados especiais na portaria e na circulação de pessoas no pátio etc.

Aumento na participação online

Uma das principais mudanças que tem gerado impactos à administração de estoque nas empresas é o aumento considerável das demandas via internet. Levantamentos recentes apontam altas desproporcionais de vendas em diversos setores, chegando, em alguns casos, a ultrapassar um aumento de mais de 600% nas demandas – oportunidade estratégica que não deve passar desapercebida por nenhum gestor e que pode, perfeitamente, ser investida como alternativa para a crise da pandemia.

Com isso, destacamos, também, algumas dicas sobre o que tem sido adotado pelos gestores de logísticas nesse quesito. Confira!

Reabastecimento de itens em falta

Em tempos de crise e com a capacidade de produção limitada de muitos produtos no mercado, é normal que a falta de itens nas prateleiras seja uma constante. Com isso, muitos gestores estão precisando rever sua administração de estoque e encontrar alternativas para evitar ou, pelo menos, minimizar esses impactos.

Entre as principais estratégias que têm sido adotadas nesses casos, vale destacar a tentativa de rever as programações de compras de insumos, a antecipação de pedidos, a pesquisa de novos fornecedores, a revisão das necessidades de estocagem de todos os produtos, inventários mais apurados e um planejamento mais profundo da distribuição das mercadorias disponíveis no estoque.

Giro de produtos alternativos

Aproveitando o gancho, com a escassez de determinados itens no mercado e a impossibilidade de reposição imediata, muitas empresas têm apostado no giro de produtos e até serviços alternativos para completar essa lacuna faltante.

Na administração de estoque, isso pode ter impactos, por exemplo, na substituição de certos insumos, na troca de embalagens durante a crise ou até mesmo na aposta de uma nova linha de produtos similares ou “genéricos”, que atendam às necessidades do mercado durante a crise.

Investimento em tecnologias e outros métodos

A necessidade de manter a eficiência da administração de estoque na pandemia e, ao mesmo tempo, reduzir a mão de obra humana, tem feito os gestores repensarem seus recursos tecnológicos e os métodos utilizados no supply chain.

Em tempos de logística 4.0, o uso de ferramentas tecnológicas já é uma realidade, e com tendências infinitas para o setor. No entanto, com a chegada inesperada da crise, nunca se valorizou tanto o investimento de sistemas e softwares de gestão logística como agora.

Softwares como WMS, TMS e de rastreamento de cargas estão sendo, como nunca, um grande diferencial para as operações logísticas de inúmeras empresas, permitindo uma maior otimização dos processos, a redução de custos operacionais e a produtividade ideal do negócio, ainda que afetado pela crise.

A repaginação dos layouts dos armazéns, novos sistemas de estocagem e a implementação de novas metodologias, como o uso do cross-docking, por exemplo, também têm servido como estratégias operacionais para muitas empresas de logística em tempos de coronavírus.

No vídeo abaixo vamos te contar como realizar uma gestão de estoque eficiente durante a pandemia. Assista!

Quais são as perspectivas futuras para o setor logístico pós-pandemia?

Talvez ainda seja um pouco cedo para dar um diagnóstico exato sobre como o setor logístico reagirá após esse período turbulento, mas como bem dissemos, alguns novos cenários que já começam a surgir durante a crise, provavelmente, se manterão ao final dela também.

Além da mudança natural no perfil de consumo que já está ocorrendo no mercado, especialistas apontam por uma revolução tecnológica em todo o setor de distribuição, marcada principalmente por uma transformação digital das empresas.

E como isso deve ocorrer? A seguir, sugerimos algumas das possíveis tendências.

Sistemas de armazenagem

Com a gradual redução de mão de obra humana e as próprias medidas de isolamento pessoal nas empresas, os sistemas inteligentes e automatizado para armazenagem têm uma promessa de aumento dentro do setor.

Como exemplo, sistemas de esteiras e prateleiras automáticas, flow-racks, pickings automatizados e transelevadores devem se tornar alternativas para a administração de estoque cada vez mais comuns nos armazéns após a crise.

Equipamentos inteligentes

A Inteligência Artificial na administração de estoque já era uma das tendências em prática, e tem se reforçado no setor durante a pandemia. Equipamentos e máquinas inteligentes, que vão desde coletores de dados avançados até empilhadeiras sem operadores, podem se popularizar a prazos mais curtos do que se imaginava também.

Terceirização de serviços

Com o possível enxugamento dos recursos, uma das tendências para a logística e a administração de estoque durante e após a pandemia é a terceirização de serviços.

Hoje, do aluguel de armazéns prontos até a contratação de integradores logísticos para a gestão geral das operações, a terceirização já é uma realidade que tende a ser reforçada após a crise.

Isso visa repassar responsabilidades aos parceiros, reduzir custos, melhorar o controle e otimizar as atividades.

Baixe nosso e-book e saiba quais são as tendencias para a logística, é gratuito.

Sistemas de gestão

Mais do que uma tendência, os sistemas de gestão já são uma necessidade para qualquer empresa de distribuição. Insistir numa administração de estoque manual é estar fadado aos processos lentos, falhos, arriscados e obsoletos.

Por isso, o investimento em tecnologias de gestão logística já está fazendo a diferença em empresas durante a pandemia do coronavírus, facilitando os planejamentos do gestor, ajudando a enxugar custos operacionais e a enxergar novas oportunidades e saídas estratégicas em meio à turbulência.

E, sem dúvidas, num cenário pós-pandemia, o uso desses sistemas de gestão na logística será ainda mais fundamental e necessário para as empresas sobreviverem e competirem nos novos mercados.

Em resumo, essas foram algumas dicas sobre como otimizar a administração de estoque em tempos de pandemia do coronavírus, além dos principais impactos e previsões que a crise está proporcionando ao setor. Nunca antes os gestores precisaram tomar decisões mais assertivas e usufruir, ao máximo, de todos os recursos que têm disponíveis na empresa, desde a infraestrutura operacional de seu armazém, até as ferramentas tecnológicas.

O fato que ainda é cedo para prever, ao certo, um futuro para a economia, mas nunca será tarde para investir em ideias, ações e soluções estratégicas para o seu negócio se destacar. Por isso, se você quer mais dicas sobre administração de estoque e logística, não deixe de se inscrever em nossa newsletter e receba todos os artigos e novidades em primeira mão. Até a próxima!

OnBlox é uma empresa de desenvolvimento de softwares para gerenciamento logístico.

Deixe seu Comentário